segunda-feira, 29 de maio de 2017

Dormir




Era só falta de jeito na hora de deitar...


Era um programa de tv que prendia sua atenção ou o barulho do ventilador de teto, não sei. Um cisco voando em direção ao seu rosto e pronto: já tinha eu um palhacinho de nariz vermelho fazendo um espetáculo, mesmo sem saber, bem na minha frente!


Talvez, todas as noites, antes de dormir, você, de fato, encene o seu melhor papel e eu fico ali, num canto, olhando toda a magia que toma conta do meu peito e me faz voltar aos primeiros anos de vida, onde tudo, tudo era novidade. 
Mas, você, diferente das cores e do gosto de uma fruta nova, é a minha maior novidade e meus olhos explodem, todas as noites, querendo descobrir mais e mais.


Diante do meu olhar atento a cada movimento, te vejo levantar com passos firmes, se direcionando ao banheiro para escovar os dentes. Vou atrás, afinal, escovar os dentes também faz parte dessa novidade que é observar sua boca (linda) cheia de espuma.


Ao terminar, depois de tirar a camisa de uma forma bem particular (de baixo pra cima), você deita na cama. De conchinha consigo mesmo, dando uma última olhada no telefone.


A luz reflete em seu rosto e eu posso ver tudo pelos seus olhos quase fechados. Às vezes refletem no seu sorriso quando encontra algo engraçado, mas é sempre pelos seus olhos que vejo cores, textos... Você deita a cabeça no travesseiro, respira fundo tentando relaxar e dorme, rápido, mas seu sono é leve e quietinho, cuidadoso. 


Medo de me incomodar ou de fazer barulho...seu cabelo bagunçado e eu, me aproveitando da melhor hora da noite, deito ao seu lado, meio sem jeito. Você me abraça e eu sinto o sangue correr pelas veias 'saltadas' das suas mãos...lisas...macias...quentinhas. 


Me aninhar em você é como um pedido, tipo: "deixa eu morar aqui?". Que bom que abre a porta e me deixa entrar no seu peito, mesmo batendo a cabeça no seu queixo e ouvindo você sorrir. 


"Desculpa" - falo sussurrando. 


Seu coração desacelera, já o meu, vibra pela regata. 


Eu amo passar a noite em claro vendo você dormir. É um espetáculo que eu me recuso perder, todas as noites...

terça-feira, 18 de abril de 2017






"Sei que aí dentro ainda mora um pedacinho de mim, 

um grande amor não se acaba assim feito espumas ao vento... 

Não é coisa de momento, raiva passageira, mania que dá 

e passa feito brincadeira, o amor deixa marcas que não dá pra apagar!

Sei que errei e tô aqui pra te pedir perdão!
Cabeça doida, coração na mão, desejo pegando fogo.
Sem saber direito aonde ir e o que fazer, eu não encontro 

uma palavra só pra te dizer, mas se eu fosse você, amor, 

eu voltava pra mim de novo!


E de uma coisa fique certa amor, a porta vai estar sempre aberta 

amor e o meu olhar vai dar uma festa amor a hora que você chegar!"


Espumas ao vento - Fagner

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

terça-feira, 29 de setembro de 2015

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

quinta-feira, 6 de agosto de 2015