sexta-feira, 29 de junho de 2012

Luz dos Olhos (Astro)



O Sol atravessou o deserto cinza da manhã, rompeu a nuvem de areia e se prostrou no início de tudo, de pé, como um rei...um astro.
Começou a brilhar, devagar, sem pressa, abrindo seus olhos lentamente e deixando toda sua generosidade e zelo transcender pelo ar.

(Que belo dia para se descobrir o amor, amado!)

No começo era noite, era cinza, era dor.
Hoje é luz, é dia, é claridade aquecendo a pele fria. Invadindo o coração, deixando as portas abertas para o vento entrar e varrer toda e qualquer poeira que se encontra dentro de um ser vazio!

Imagina, a luz entrando e dando cor e cheiro ao quarto escuro?!

Hora de acordar, Menino! Hora de sair e realizar os sonhos dos seus outros meninos, hora de crescer e se mostrar Deus. Chega de mimar os sonhos!

Hoje é luz, é dia e eu quero a melhor fatia da felicidade.

Acabou o chorário! Viva a retina do Sol, saudações ao astro!
Abrir a janela e olhar diretamente nos olhos dele e...sorrir. Encher o pulmão de amor, de alimento. Sentir...paz.

Hoje é luz, é dia, e é tão fácil deixar-se invadir...
Em algumas horas ele irá fechar os olhos, e dormir, mas um astro não morre e nem se apaga. Resta a expectativa de um novo dia e de uma luz diferente no olhar do grande rei.

Wait.

domingo, 24 de junho de 2012

Músicas para o meu pulmão (e ouvidos)



"..uma emoção assim só se compara a tudo que nós já passamos juntos, nesse quarto em um segundo...preciso tanto aproveitar você, olhar seus olhos, beijar sua boca, dizer (e ouvir) palavras de um futuro (pelo menos) bom".

"...quando penso em alguém só penso em você e aí então estamos bem...mesmo com tantos motivos pra deixar tudo como está, nem desistir e nem tentar agora, tanto faz, estamos indo de volta pra casa..."

"...sobe o dia tão vertical, o horizonte anuncia com seu vitral que eu trocaria a eternidade por essa noite. (Porque está amanhecendo?) Peço o contrário, ver o sol se por... Porque está amanhecendo? Se não vou beijar seus lábios quando você se for..."

"Quem sabe um dia ainda consiga entender, que o proibido já não basta pra nós.
Um argumento, algo mais, pra dizer...que permita desatar nossos nós. Fidelidade ao amor, é sempre estar assim...se estou mais perto de você, estou mais perto de mim."
"...Desenhos que a vida vai fazendo, desbotam alguns, uns ficam iguais...Entre corações que tenho tatuados, de você me lembro mais!"
"Não sei bem certo, se é só ilusão, se é você já perto, se é intuição...E aonde quer que eu vá levo você no olhar. Aonde quer que eu vá..."


Continua (qualquer dia...)

sexta-feira, 22 de junho de 2012





"Sou contrastante, em todos os sentidos, capaz de grandes ódios e de paixões violentas, dolorosas. Meus sentimentos e dramas guardo a sete chaves e nunca demonstro, tento ser aparentemente seco e frio mesmo chorando, sangrando por dentro. E sofro muito! 


Tento controlar meu ciúme, minhas paixões passionais, meus amores contrariados, roem meu interior e, em vão tento controlá-los! Mas quando explodo, toda essa carga de sentimento vem à tona, não importando quão amigo eu seja, quão apaixonado eu seja...destruo o que puder (e tiver) pela frente."


Adaptei esse texto como uma junção de coisas que li sobre o meu signo, motivo deste post de hoje.



Demorei para fazer, mas está aí.

Depois dos trinta resolvi ousar, ser um “velhinho moderno”...rs. 
Achei que o meu corpo pedia alguma forma de expressão, qualquer que fosse, então resolvi fazer.

Expressar minha opinião sobre o amor, sobre o misticismo, astros, sobre a minha personalidade intensa...

Sempre acreditei no poder que liga o céu e as estrelas, que a junção delas determinam algo pra alguém, que o universo faz sentido, que tudo faz...E fora que a letra M (inicial do meu nome), ficou um charme.

Tudo foi decidido encima da hora: acordei, fui trabalhar e na hora do almoço fiz. Sem nenhum constrangimento, sem nenhum medo de julgamentos.  Pode ser a primeira, pode ser a última, não sei, o que importa é que me sinto bem e satisfeito com o resultado.


Eu precisava disso. E mesmo que falem o contrario, essa minha forma de expressão foi feita pra mim. Só pra mim e isso é o que me faz bem.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Minha Esquina



Fingir não sentir amor, ou dor.

Em cada esquina sempre pronta pra se deitar com qualquer um, mas no final da noite, ninguém acorda com ela. Natural ver todos indo embora enquanto tem que sair pela porta dos fundos. (A horizontalidade dos olhos ao lhe ver ir embora.).

Todos os perfumes passam por sua pele, que conhece e transforma-se a cada toque: quente, fria, úmida ou seca.

Uma camaleoa em todos os ritmos e sentidos, movimentando-se conforme a lua. Fingindo ser inteligente (ou demasiadamente burra) de acordo com  o cliente.


Sem amor, com medo de amar, mesmo tendo toda segurança passada no olhar, maquiado, pesado, vermelho e quase se fechando ao amanhecer.

A tristeza é compartilhada todos os dias com a amiga Aurora que junto dela chora, todos os dias, quando abraçadas, dançam ao som do vento e do pisar no chão, velho boêmio.


(Tão depressiva, tão feliz com o que restou da vida.).

Como uma árvore seca não produzirá frutos e diferentemente de uma raiz, nunca se fincará.
Qualquer gato vira-lata lamberá sua boca na madrugada e assim, o resto que lhe restou da vida, frutificará, até o fim dos seus lindos 30 anos de vida.

Um dia ela será amada...e que assim seja. 


Enquanto isso, um cigarro e outra noite mal dormida.

terça-feira, 19 de junho de 2012

Amar



Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...


Florbela Espanca

sábado, 16 de junho de 2012

Eu sou assim!





Eu me amo! 

Não, não é meu ego gritando, é a realidade. Eu me amo muito! 


Amo meu sorriso torto, a cor da minha pele, minha gargalhada e a forma honesta que trato meus amigos. Amo minhas calças justas, meu jeito de andar e o tamanho da minha bunda. (amo mesmo!) Pra me amar, você precisa ter muito além de um rosto bonito e um corpo legal, dinheiro na carteira. Pra me amar você não precisa ver em mim olhos claros, corpo malhado e pele branca. 


Porque eu me vejo exatamente assim: Lindo! Amo tudo que sou, amo me ler, amo meus exageros e porres. Amo meu drama e a minha insensibilidade em não aceitar você querendo me mudar. Amo minha introspecção e minha cara de pau quando é necessário. Amo meu teatro, esse meu momento particular de mudar de mascaras, de fazer sorrir e chorar.  Eu jamais vou querer ser algo que não dá pra eu ser e se você quiser me amar, vai ser assim! Irreverente, vingativo, medroso, meio mãe dos amigos...assim?! Do jeitinho que sou! 


Porque eu não vou mudar, por ninguém. E se você não me ama, justamente por eu não ser NADA padrão dentro dessa sociedade filho da puta estipulada por filhos da puta que como você, levanta a sobrancelha quando me vê chegando, hei! Alguma coisa tá errada contigo!


Lamento se você ama as pessoas pela beleza delas. A podridão que você adquiri é maior do que a sua capacidade de sentimento. Não é direcionado esse texto pra ninguém, que fique bem claro (quer dizer, não diretamente...rs), mas é pra todos vocês que perdem o tempo, da preciosa vida, procurando relacionamentos vazios com pessoas que nada tem pra oferecer do que beleza, que por sinal é efémera, mas o caráter de alguém, é atemporal.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Nós




"Dia e noite essa sensação  da falta de compromisso com o relógio. 
De desprezo com o tempo e de medo do acordar.

Como se o mundo pudesse ser só [nós].

Nós presos na garganta, presos no olhar, nó que nos prendem e a qualquer momento pode se soltar. Ou desatar de forma podre nesse imenso mar de veneno doce.

Não há descrição para o vazio porque ele simplesmente é vazio. 
E o vazio da falta de amor é a pior sensação já imposta pelo ser vivente.

Não esperarei desatar, nem apodrecer...abortarei de mim, pra não me sentir vazio, afogado nesse mar."

domingo, 3 de junho de 2012

Aquela coisinha...





"Aquela coisa de ficar olhando a foto, de ficar relembrando, lutando contra e cedendo no mesmo instante. 

Aquela coisa de pegar na mão, de abraçar forte, de olhar nos olhos ou desviar deles...de fingir que ninguém sente, mesmo os dois corações batendo forte e quase saindo do peito. 

Aquela coisa de encher os olhos d'agua numa despedida de cinco minutos e a preocupação de ambos mesmo dormindo juntos.

Aquela volta que dura horas dentro da mente. O diminuir da imagem que some no final da rua como se fosse um ‘adeus’. Um poço de lágrimas para cada briga e um mundo de risos para cada conquista de ambos ou de um dos dois.

Aquela coisa chata do competição e aquela coisa gostosa do ‘fala, adoro ouvir sua voz’.

Aquela canção tocada ou cantada em trechos perdidos... Aquele começo de anoitecer e o começo do amanhecer...o começo da vida torta juntos. 
(O cheiro, o gosto, o toque, o jorrar...)

Aquela coisinha que ninguém consegue explicar ou tem medo de explicar. Aquele amor que nasce outra vez e outra vez, sem saber ao certo onde vai dar, se vai dar, ou se não vai ir a lugar algum...

Aquela vida que a gente teima em achar que é nossa, mesmo não sendo.


Quem disse que essa coisa é a coisa certa? E a pior parte é quando a resposta está clara e o final dessa coisinha também"...

(apenas um desabafo)