terça-feira, 20 de março de 2012

...Diferente de todos que amei







Na verdade eu nem amei.
Ou nem procurei.
Só fiquei com aquela sensação de ser roubado sem mesmo ter tido nada levado.
Fiquei aqui, esperando uma volta de algo que nunca foi.

E agora, acorrentado em um desamor que não aconteceu
espero mais uma vez por respostas de algo que não sei explicar...
que apenas sinto.


E esse "sentir" doi tanto, que ninguém consegue sentir igual.
É particular. Minúsculo.
Ao mesmo tempo tão enorme que não cabe dentro de mim.



Um deserto de terra de extremos...
Às vezes eu olho e acho que está lá, uma miragem...caminho, caminho...mas nunca chego.
Na maioria das vezes sentava.
 Hoje, só caminho. Não sei onde vou parar,
se vou encontrar ou se apenas continuar caminhando...


Ele está lá no final de tudo, eu sei.


Resta saber se misturado a todo esse devaneio irei tocar, sentir.


Resta procurar, 
colar cartazes para achar, dizer que estou à procura

de algo que me prenda, que lute, que mate e morra por mim.


A verdade é que, preciso achar esse algo que nunca procurei.
por que, caso não encontre irei morrer seco nesse deserto do qual não consigo sair