quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012





Ontem à noite, estava eu pensando que não gostaria de conhecer Maria Bethânia! 
Não, definitivamente não! Não gostaria de conhecer a Maria Bethânia Viana Teles Veloso. 
Minha admiração pela bela artista que declama poesias lindas de Fernando Pessoa como ninguém, transcende a essa coisa do fã que quer saber mais sobre a VIDA do seu artista favorito. Talvez seja por isso não tenha me esforçado para ir a algum show ou encontra-la em algum lugar qualquer (como se fosse possível...rs).

Imagina! Bethânia só é Maria Bethânia porque toca fundo dentro de mim quando sorri no palco ou saltita quando sai de cena. Quando dança descalça e gira sua saia de renda branca pelos quatro cantos de onde quer que esteja.

É uma entidade!
Sim, alguém de luz que canta a religiosidade que acredita com veemência. 
Quando ouço falar da "Rainha da águas" logo me vem à cabeça a voz das sereias que sai pela sua boca encantando e envolvendo a todos que estão ao seu redor. 
Seduz, intriga, amedronta e satisfaz.

É um orgasmo ouvir "Canto de Oxum" em sua voz. É quase uma conversão àquilo que não se acredita ou não conhece. Esses mistérios que só a cultura negra e Santo Amaro da Purificação podem trazer ao mundo. 
São aproximadamente 46 anos de carreira mostrando quão importante é a sua arte para o Brasil e exterior.

Ter uma mulher que soube envelhecer e agradecer as rugas que o tempo deu (por merecimento), dentro da MPB, é um privilégio. O que é bom ainda faz parte de poucos, não desmerecendo os outros, mas me sinto totalmente agraciado pela natureza por saber que em algum lugar do tempo (tempo, tempo, tempo tempo...) se ouvirá falar da única cantora viva da MPB que, independente da idade (e do tempo), tem o poder de se reinventar a cada dia.


A você, Maria Bethânia, o meu amor eterno! Pela representatividade no cenário fonografico e por cantar as inúmeras canções QUE VOCÊ FEZ PRA MIM...